Blog não é tudo, tudo é a falta do blog ....
( Peri S.C. adaptando uma frase do Millor )

VIAGEM À ITALIA de 4/06 a 24/06/2012

Roteiro: SP Guarulhos/ ROMA > Firenze > Pistóia > Sorrento > Capri > Roma > SP Guarulhos

quinta-feira, 4 de março de 2010

A GRUTA e o LEÃO

O "Mur-Insel" (Ilha do Mur), que é o nome do bar flutuante metálico que se vê naquela foto, é muito charmoso no verão. Ele foi originalmente projetado para ser colocado no rio Hudson em NY, mas por alguma razão que não lembro agora, ele veio parar aqui em Graz, em 2003 na época em que Graz foi cidade cultural da Europa.FÁTIMA CRISTINA

Eduardo!

Parabéns e "Obrigada"!!!

Nos meus 15 anos de Graz, nunca li um resumo tão completo em Português da história do Schloßberg! Só mesmo você com o seu "Varal" para compilar fontes com informação deste nível e nos proporcionar esta viagem cultural tão enriquecedora. Adorei!

Você gostou de andar no elevador de vidro dentro da gruta? Quando ele foi inaugurado (acho que em 2003), era o prazer "futurístico" dos meninos!

A vista lá de cima da torre do relógio é realmente muito bonita. Você pegou um dia especial com neve. As fotos ficaram ótimas. No verão o visual também é legal e logo abaixo do relógio se encontra um jardim planejado belíssimo com plantas e flores raras.

Na foto abaixo da foto da torre do relógio, vê-se uma igreja bem ao longe e central. Desviando-se o olhar para a esquerda da igreja, vê-se um prédio mais alto, bem na parte esquerda superior da foto. Atrás deste prédio segue um morrinho habitado. O lugar onde eu moro fica nessa direção, do outro lado desta colina. Não dá pra ver o nosso condomínio de lá. Fica perto do hospital principal da cidade (LKH).

A estátua do Leão foi pintada de branco no final de 2009, por "vândalos", como li no jornal. Mas, na verdade eu acho que eles já sabiam que a Paulinha viria aqui e iria tirar uma foto lá de jaqueta branca também! Cominou bastante!!! rsrsrs...
Agora sério. A prefeitura tentou retirar a tinta durante o inverno, mas não conseguiu. a limpeza do leão está prevista para a primavera, quando então ele voltará a ser preto lustrado como mostra a outra foto menor.

Concordo com o Jorge e com o João, sobre a foto dos prédios cobertos de neve e a vista do Mur. Ficou muito legal! O quarteirão que se vê do outro lado do rio, nesta mesma foto, perto da igreja de 2 torres (Maria Hilfe) é rodeado de casas de Jazz. Um ótimo lugar para se ouvir musica ao vivo de boa qualidade.

Eduardo, eu estou curtindo muito colocar algumas azeitonas nas "empadinhas" que você nos envia nessa série de posts sobre Graz! Espero que você também em lê-las!

Beijos!
Fátima Cristina
Fatima Cristina deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Por onde andamos .... ( XIIª parte )":

Oi Eduardo!

Aqui estou eu mais uma vez, batendo ponto nos seus comentários dos posts sobre Graz.

Você comentou sobre ter visto, apesar do tempo frio e com neve, muitos idosos e famílias com carrinho de bebê passeando nas ruas. Eu lembro que logo que cheguei aqui, também obsevei a mesma coisa. Passear a pé aqui, sob qualquer clima e com qualquer idade, faz parte do hábito austríaco. Pelo visto este hábito traz vida longa, tendo em vista a quantidade de pessoas que vivem até seus 100 anos por aqui...

Este espaço que você nos mostrou nas fotos se chama "Kasematten". Ele é usado para apreserntação teatral, concertos, festivais e eventos (jantares, etc) em geral. Neste espaço acontece anualmente no verão daqui o festival de Jazz, chamado "Jazz Sommer Graz", trazendo personagens internacionais consagradas do Jazz e da "World Music". Em 2009, quem abriu o Jazzsommer-Graz foi o Gilberto Gil, com um show muito legal que levantou todos de suas cadeiras, fazendo com que o teto da Kasematten se abrisse (como é possível) no final do show para arejar mais o ambiente. Foi ótimo! Eu estava lá também, é claro! Links deste evento:
http://www.jazzimbild.at/Uebersicht_jazzsommer2009.htm
e fotos em: http://picasaweb.google.at/jazzsommergraz/GilbertoGil972009#

Agora um pouquinho da história que li aqui sobre o Kasematten:
Em 1578 no "fosso" do Forte - isto é, naquela parte ao redor do castelo que se destinava a impedir ou dificultar o acesso do agressor à sua linha de defesa - foi construída a casa do "senhor" do castelo ( o homem que tomava conta de tudo lá - sem ter título algum... uma espécie de "síndico" de hoje em dia...). Somente em 1809, das ruínas desta casa, após o forte ter sido destruído, este espaço foi adaptado para ser um teatro ao ar livre, inaugurado em 1937 com a ópera "Fidelio" de Beethoven. A cobertura móvel do Kasematten foi adicionada mais recentemente, em 1987.

A acústica deste espaço é muito boa e o clima é sempre de festa!
Vale a pena conferir!

Beijos!
Textos AQUI


Oi Eduardo!

Espero que o joelho da Paulinha melhore em breve. Ela foi realmente brava, andando tanto na viagem sem reclamar. Eu também já tive algo parecido em 2008 após 1 semana esquiando com a família. Fiz fisioterapia e ginástica regularmente para melhorar.

Quanto ao resto do passeio de vocês em Graz, vocês desceram do forte pela praca Karmelita (onde vocês fotografaram a casa pintada de azul). Até bem pouco tempo nesta praca se encontrava um rink de patinação em gelo artificial. Acho que ainda dá para ver a parte no chão sem neve onde ele se encontrava.

A arcada que vocês demoraram para encontrar fica na parte interna do prédio "Landhaus", onde se encontram os escritórios dos deputados e vereadores de Graz. Nada de especial...

A ópera de Graz é muito mais bonita por dentro, do que por fora. Pena que vocês não visitaram o seu interior. O musical em cartaz atualmente é o "Sound of Music" ("Novica Rebelde"... quem não assistiu esse filme no Brasil???).
O prédio da ópera foi construído no final do século 19 por dois famosos arquitetos em construção de óperas na Europa: Fellner and Helmer.

A escultura de ferro que se encontra ao lado da ópera, é chamada pelos habitantes de "Miss Liberty", mas seu nome real é "light sword". Ela traz um contraste à paisagem (de gosto questionável - apesar de que gosto não se discute) por estar próxima ao prédio neo-Baroco da ópera, e seu propósito é de simbolizar "mentalidade aberta e tolerância". Seu criador foi o artista plástico Hartmut Skerbisch, em 1992.

O prédio que vocês acharam interessante com a torre, é um dos meus favoritos nesta parte da cidade. Nas horas certas e horas e meia, as janelas abaixo do relógio dourado e azul se abrem e figuras em miniaturas de camponeses e alguns de seus animais rodam com o badalar dos sinos, como se fosse uma caixinha de música nas alturas.
É interessante passa lá numa hora cheia para ver o dlin-dlin-dlon deste prédio.

Ok, acho que falei tudo o que sabia...

Beijos Fátima Cristina